Coisas de Naele

Archive for setembro 2010

Por: Honoré de Balzac

Tome a mesma moça aos 20 e aos 30 anos. No segundo momento ela será umas sete ou oito vezes mais interessante, sedutora e irresistível do que no primeiro.

Ela perde o frescor juvenil, é verdade. Mas também o ar inseguro de quem ainda não sabe direito o que quer da vida, de si mesma e de um homem. Não sustenta mais aquele ar ingênuo, uma característica sexy da mulher de 20. Só que isso é compensado por outros atributos encantadores que reveste a mulher de 30.

Como se conhece melhor, ela é muito mais autêntica, centrada, certeira no trato consigo mesma e com seu homem. Aos 30, a mulher tem uma relação mais saudável com o próprio corpo e orgulho da sua vagina, das suas carnes sinuosas, do seu cheiro cítrico. Não briga mais com nada disso. Na verdade, ela quer brigar o menos possível. Está interessada em absorver do mundo o que lhe parecer justo e útil, ignorando o que for feio e baixo – astral. Quer é ser feliz. Se o seu homem não gosta dela do jeito que é, que vá procurar outra. Ela só quer quem a mereça.

Aos 30 anos, a mulher sabe se vestir. Domina a arte de valorizar os pontos fortes e disfarçar o que não interessa mostrar. Sabe escolher sapatos e acessórios, tecidos e decotes, maquiagem e corte de cabelo. Gasta mais porque tem mais dinheiro. Mas, sobretudo, gasta melhor. E tem gestos mais delicados e elegantes.

Aos 30, ela carrega um olhar muito mais matador quando interessa matar. E finge indiferença com muito mais competência quando interessa repelir. Ela não é mais bobinha. Não que fique menos inconstante. Mulher que é mulher,se pudesse, não vestiria duas vezes a mesma roupa nem acordaria dois dias seguidos com o mesmo humor. Mas, aos 30 ela,já sabe lidar melhor com esse aspecto peculiar da sua condição feminina. E poupa (exceto quando não quer) o seu homem desses altos e baixos hormonais que aos 20 a atingiam e quem mais estivesse por perto, irremediavelmente.

Aos 20, a mulher tem espinhas. Aos 30, tem pintas, encantadoras trilhas de pintas, que só sabem mesmo onde terminam uns poucos e sortudos escolhidos.

Sim, aos 20 a mulher é escolhida. Aos 30, é ela quem escolhe. E não veste mais calcinhas que não lhe favorecem. Só usa lingeries com altíssimo poder de fogo. Também aprende a se perfumar na dose certa, com a fragrância exata.

A mulher de 30, mais do que aos 20, cheira bem, dá gosto de olhar, captura os sentidos, provoca fome. Aos 30, ela é mais natural, sábia e serena. Menos ansiosa, menos estabanada. Até seus dentes parecem mais claros; seus lábios, mais reluzentes; sua saliva, mais potável. E o brilho da pele não é a oleosidade dos 20 anos, mas pura luminosidade.

Aos 20 ela rói as unhas. Aos 30, constrói para si mãos plásticas e perfeitas. Ainda desenvolve um toque ao mesmo tempo firme e suave. Ocorre algo parecido com os pés, que atingem uma exatidão estética insuperável. Acontece alguma coisa também com os cílios, o desenho das sobrancelhas, o jeito de olhar. Fica tudo mais glamouroso, mais sexualmente arguto.

Aos 30, quando ousa, no que quer que seja, a mulher costuma acertar em cheio. No jogo com os homens já aprendeu a atuar no contra – ataque. Quando dá o bote é para liquidar a fatura. Ela sabe dominar seu parceiro sem que ele se sinta dominado. Mostra a sua força na hora certa e de forma sutil.
Não para exibir poder, mas para resolver tudo ao seu favor antes de chegar ao ponto de precisar exibi-lo. Consegue o que pretende sem confrontos inúteis. Sabiamente, goza das prerrogativas da condição feminina sem engolir sapos supostamente decorrentes do fato de ser mulher.

Anúncios

Por Denise Gurgel

Algumas crianças relaxam com o embalo do movimento do carro e terminam cochilando. Mas há aquelas que ficam agitadas, brincam, ficam em pé entre os bancos, mandam beijinhos e distribuem simpatia para os outros carros. Confesso que adoro brincar com os pequenos no trânsito, mas saber que eles estão seguros com o uso obrigatório de cadeirinhas em automóveis para crianças menores de sete anos e meio é um alívio.
É lei e começará a vigorar a partir do dia 1 de setembro o uso da cadeirinha no banco traseiro nos veículos desde a saída da maternidade. Quem não cumprir será multado em R$ 191,54 e receberá sete pontos na carteira. O prejuízo no bolso é pequeno, o bom mesmo é saber que essa atitude simples poderá evitar acidentes.
Algumas vezes parece até contraditório algo tão importante precisar se tornar lei para que seja respeitada a segurança. Um simples espirro da criança já é motivo para ser levada ao pediatra, mas passear de carro no colo da mãe pode. Não pode!
Segundo a ONG Criança Segura, uma criança no carro sentada no banco traseiro, com até 25 kg numa batida de carro a 50 km/h, poderá sofrer danos comparáveis a uma queda do terceiro andar de um prédio. Com o uso da cadeirinha e sua utilização correta as estatísticas são reduzidas em até 70%.A Lei da Cadeirinha tem como objetivo de reduzir os dados do Ministério da Saúde em que os acidentes de carro representam a terceira causa de morte entre crianças de zero a nove anos.
É muito comum mães e pais falarem que os filhos não ficam quietos na cadeirinha e que não conseguem fazê-los sentar. Ontem mesmo atendi um casal de gêmeos de um ano, o Leo e Carol, filhos da Sakae e Nori Fukuma e os ajudei a levá-los para o carro. Afinal, com dois filhos quanto mais ajuda melhor! Os pais usam um artifício simples para manter os gêmeos tranquilos na cadeirinha, o DVD. Claro que os bebês reclamaram um pouco ao sentar na cadeirinha, mas logo se acalmaram e voltaram para casa. Conseguimos ensinar tantas coisas para as crianças, regras, horários, rotinas… Tenho certeza que com paciência você achará um artifício, uma forma para as suas crianças aderirem às cadeirinhas.
É importante saber que a lei não se aplica aos veículos de transporte coletivo como veículos escolares, táxis e veículos com peso bruto total ou superior a 3,5 toneladas.
Hoje há diversas cadeirinhas disponíveis, então atenção às dicas: veja se possui o selo do Inmetro, cinto de segurança, estofamento e correia (parte que prenderá no veículo). Muitas lojas oferecem auxílio na hora da instalação, não deixe de conferir antes de bater o martelo na compra.
O modelo escolhido deverá ser compatível com a altura e o peso do seu filho. Siga as instruções da cadeirinha e não haverá erro. Saber que o seu filho estará seguro é um bom motivo para se adequar à nova rotina.
Saiba mais sobre a divisão da cadeirinha por faixa etária e peso:
  • Bebês até um ano (ou até 9 e 13 quilos dependendo da marca): devem ser transportados no bebê conforto ou conversível no banco traseiro com leve inclinação e de costas para o motorista.
  • De 1 a 4 anos (ou crianças entre 9 e 18 quilos): deve-se usar as cadeirinhas no banco traseiro, na posição vertical e de frente para o motorista.
  • De 4 a 10 (ou crianças entre 18 e 36 quilos): devem sentar no assento de elevação ou “booster” no banco traseiro com cinto de segurança de três pontas.