Coisas de Naele

Archive for the ‘Sem-categoria’ Category

A parábola dos talentos – Mateus 25:14-30

Esta parábola explica como preparar-se para a volta de Jesus.

Ela também explica o objetivo de nossas vidas. Explica a missão que nos confiada por Deus enquanto vivermos.

O valor atribuído a um talento-ático era de 6 mil denários – o montante que o trabalhador levaria 20 anos para receber. Era esperado pelo mestre dos trabalhadores, que cada um dos trabalhadores usasse o que recebeu de acordo com suas habilidades. Um deles ganhou cinco e o outro três e ambos usaram suas capacidades para dobrar aqueles valores. A pessoa que recebeu um talento nem mesmo tentou cumprir a tarefa dada pelo mestre. Seu talento foi tirado, não recebeu nenhuma recompensa, e o relacionamento entre ele e o mestre foi destruído.

Deus nos dá somente uma vida para viver. Se considerarmos na parábola o tempo que cada um ganhou em talentos: o primeiro recebeu o equivalente a cem anos de trabalho, o outro 60 anos e o último 20 anos. Era esperado que cada um, utilizando-se de suas habilidades, multiplicasse isto em outros talentos, isto é, em outras vidas. E o que são outras vidas no Reino de Deus, senão alcançar os perdidos?

Não sabemos quanto tempo viveremos sobre a Terra, mas sabemos que teremos de prestar contas ao Senhor do que fizemos com nossas vidas. Nós a multiplicamos em outras vidas ou a enterramos numa cova? Nós nos aplicamos em servir aos outros ou nos fechamos em nosso egoísmo?

No dia do Senhor, Ele nos pedirá contas e o que apresentaremos a Ele? Uma vida enterrada e desperdiçada ou vidas alcançadas por seu evangelho e salvação?

 

Anúncios

Um clássico que resiste às mudanças de tendência tão comuns na moda. O vermelho tem sempre o seu lugar cativo, em batons e esmaltes.

O glamouroso batom vermelho
É comum as mulheres terem dificuldade de usar o batom vermelho por ser uma cor muito marcante. “Esse batom indica feminilidade e personalidade forte”, acredita o maquiador Lázaro Lambertucci. “Tem que ter atitude para segurar”.

Truques para aplicar o batom
1. Sempre usar hidratante labial, pois o vermelho realça as rachaduras.

Kit Lábios de Seda Satin Lips® (Máscara + Bálsamo)

Remove completamente as células mortas com a Máscara (peso líquido 8 g) e Hidrate com o Bálsamo (peso líquido 8g) para deixar seus lábios macios e suaves.

2. O lápis de boca entra em cena. “Contornar a boca ajuda para o batom não ultrapassar o limite do lábio”.

Outra dica é usar o pincel, que deixa mais uniforme e com traçado perfeito.

Pincel Retrátil para Lábios – Ideal para conseguir uma aplicação uniforme e precisa da cor nos lábios.

O resto da maquiagem é simples: “pode ser um olho em tons neutros, como o preto e marrom. Acho mais bacana uma pele natural e máscara de cílios. Para não pecar, faça menos”.

As melhores cores para você
Para achar o batom vermelho perfeito, observe a tonalidade da sua pele. E experimente muito.

Pele clara: “um vermelho mais seco, puxado para o sangue, e fosco”. Batom Cremoso Mary Kay Red.

Pele morena: “vermelhos com tons de cereja, ou misturado com rosa, melancia, romã”. Batom Cremoso Mary Kay Apple Beryy

Pele negra: “cores mais vibrantes e escuras, como o bordô, e com brilhos”. Batom Cremoso Mary Kay Berry Kiss.

 

Entre em contato comigo para saber como adquirir esses produtos, fazendo um comentário deste post.

Borboletas

Posted on: 02/12/2010

BORBOLETAS
(Mário Quintana)


Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de se decepcionar é grande.
As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as delas.
Temos que nos bastar…
Nos bastar sempre e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.
As pessoas não se precisam,
Elas se completam…
Não por serem metades, mas por serem inteiras dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.
Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela.
Percebe, também, que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e, que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.
Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você.
O segredo é não cuidar das borboletas e sim cuidar do jardim para que elas venham até você.
No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!”

 


Tem momentos difíceis na vida que achamos que vamos perecer e que a vida passou a não ter mais sentido. E é engraçado como todo mundo fala que tudo vai passar e é só uma fase. A impaciência é o algoz da alma. Quem em sã consciência, que está sentindo dor, tem paciência para esperar o analgésico aliviar o incômodo?

Somos a geração do agora, do imediato, do alívio instantâneo da agonia e da tristeza. Isso é um fato. Somos viciados na morfina da instantaneidade, do breve, do rápido.

Queremos o email e não a carta escrita a mão. Queremos a imagem pronta na tela e não a delícia da imaginação da cena. Queremos o presente e o futuro ao mesmo tempo e não a nostalgia do passado.

E quando os momentos ruins chegam quem tem força para vencer e avançar? Parece que justamente nesses momentos, resolve-se escrever a carta e não o email, ler o livro e não ver o filme pronto, pensar no passado e não mais sonhar com o futuro e se deliciar no presente. Que droga!!!

Então, de onde vem a força para vencer? De onde vem a força para enxergar através das nuvens que encobrem o sol, a luz do novo dia.

Acredito que a força vem justamente de outros momentos difíceis que passamos. Vem da memória das vitórias alcançadas ao longo da vida. Da lembrança da alegria que invadiu o peito quando um dia ruim passou e outro muito bom amanheceu.

Começamos então a vasculhar as músicas antigas que ouvíamos, a arrumar os armários, a ler os livros complexos que deixamos por terminar, a rir dos tombos que levamos, a zombar da própria infelicidade. E dessas coisas começam a brotar a força, a energia salvadora para se aprumar de novo e recomeçar.

A força não vem do sonho de algo novo, mas justamente da sombra do velho, dolorido e esquecido naquele cantinho do coração, que ninguém mais abre, somente a gente…isso quando tudo mais não funcionou para aliviar a dor. Deixamos a luz entrar naquela escuridão e dali retiramos as lições aprendidas em algum dia do passado dolorido.

Finalmente a alegria vem e o entusiasmo volta. O sorriso se abre de novo e recomeçamos a busca por mais aprendizado e crescimento.

Por: Honoré de Balzac

Tome a mesma moça aos 20 e aos 30 anos. No segundo momento ela será umas sete ou oito vezes mais interessante, sedutora e irresistível do que no primeiro.

Ela perde o frescor juvenil, é verdade. Mas também o ar inseguro de quem ainda não sabe direito o que quer da vida, de si mesma e de um homem. Não sustenta mais aquele ar ingênuo, uma característica sexy da mulher de 20. Só que isso é compensado por outros atributos encantadores que reveste a mulher de 30.

Como se conhece melhor, ela é muito mais autêntica, centrada, certeira no trato consigo mesma e com seu homem. Aos 30, a mulher tem uma relação mais saudável com o próprio corpo e orgulho da sua vagina, das suas carnes sinuosas, do seu cheiro cítrico. Não briga mais com nada disso. Na verdade, ela quer brigar o menos possível. Está interessada em absorver do mundo o que lhe parecer justo e útil, ignorando o que for feio e baixo – astral. Quer é ser feliz. Se o seu homem não gosta dela do jeito que é, que vá procurar outra. Ela só quer quem a mereça.

Aos 30 anos, a mulher sabe se vestir. Domina a arte de valorizar os pontos fortes e disfarçar o que não interessa mostrar. Sabe escolher sapatos e acessórios, tecidos e decotes, maquiagem e corte de cabelo. Gasta mais porque tem mais dinheiro. Mas, sobretudo, gasta melhor. E tem gestos mais delicados e elegantes.

Aos 30, ela carrega um olhar muito mais matador quando interessa matar. E finge indiferença com muito mais competência quando interessa repelir. Ela não é mais bobinha. Não que fique menos inconstante. Mulher que é mulher,se pudesse, não vestiria duas vezes a mesma roupa nem acordaria dois dias seguidos com o mesmo humor. Mas, aos 30 ela,já sabe lidar melhor com esse aspecto peculiar da sua condição feminina. E poupa (exceto quando não quer) o seu homem desses altos e baixos hormonais que aos 20 a atingiam e quem mais estivesse por perto, irremediavelmente.

Aos 20, a mulher tem espinhas. Aos 30, tem pintas, encantadoras trilhas de pintas, que só sabem mesmo onde terminam uns poucos e sortudos escolhidos.

Sim, aos 20 a mulher é escolhida. Aos 30, é ela quem escolhe. E não veste mais calcinhas que não lhe favorecem. Só usa lingeries com altíssimo poder de fogo. Também aprende a se perfumar na dose certa, com a fragrância exata.

A mulher de 30, mais do que aos 20, cheira bem, dá gosto de olhar, captura os sentidos, provoca fome. Aos 30, ela é mais natural, sábia e serena. Menos ansiosa, menos estabanada. Até seus dentes parecem mais claros; seus lábios, mais reluzentes; sua saliva, mais potável. E o brilho da pele não é a oleosidade dos 20 anos, mas pura luminosidade.

Aos 20 ela rói as unhas. Aos 30, constrói para si mãos plásticas e perfeitas. Ainda desenvolve um toque ao mesmo tempo firme e suave. Ocorre algo parecido com os pés, que atingem uma exatidão estética insuperável. Acontece alguma coisa também com os cílios, o desenho das sobrancelhas, o jeito de olhar. Fica tudo mais glamouroso, mais sexualmente arguto.

Aos 30, quando ousa, no que quer que seja, a mulher costuma acertar em cheio. No jogo com os homens já aprendeu a atuar no contra – ataque. Quando dá o bote é para liquidar a fatura. Ela sabe dominar seu parceiro sem que ele se sinta dominado. Mostra a sua força na hora certa e de forma sutil.
Não para exibir poder, mas para resolver tudo ao seu favor antes de chegar ao ponto de precisar exibi-lo. Consegue o que pretende sem confrontos inúteis. Sabiamente, goza das prerrogativas da condição feminina sem engolir sapos supostamente decorrentes do fato de ser mulher.

Por Denise Gurgel

Algumas crianças relaxam com o embalo do movimento do carro e terminam cochilando. Mas há aquelas que ficam agitadas, brincam, ficam em pé entre os bancos, mandam beijinhos e distribuem simpatia para os outros carros. Confesso que adoro brincar com os pequenos no trânsito, mas saber que eles estão seguros com o uso obrigatório de cadeirinhas em automóveis para crianças menores de sete anos e meio é um alívio.
É lei e começará a vigorar a partir do dia 1 de setembro o uso da cadeirinha no banco traseiro nos veículos desde a saída da maternidade. Quem não cumprir será multado em R$ 191,54 e receberá sete pontos na carteira. O prejuízo no bolso é pequeno, o bom mesmo é saber que essa atitude simples poderá evitar acidentes.
Algumas vezes parece até contraditório algo tão importante precisar se tornar lei para que seja respeitada a segurança. Um simples espirro da criança já é motivo para ser levada ao pediatra, mas passear de carro no colo da mãe pode. Não pode!
Segundo a ONG Criança Segura, uma criança no carro sentada no banco traseiro, com até 25 kg numa batida de carro a 50 km/h, poderá sofrer danos comparáveis a uma queda do terceiro andar de um prédio. Com o uso da cadeirinha e sua utilização correta as estatísticas são reduzidas em até 70%.A Lei da Cadeirinha tem como objetivo de reduzir os dados do Ministério da Saúde em que os acidentes de carro representam a terceira causa de morte entre crianças de zero a nove anos.
É muito comum mães e pais falarem que os filhos não ficam quietos na cadeirinha e que não conseguem fazê-los sentar. Ontem mesmo atendi um casal de gêmeos de um ano, o Leo e Carol, filhos da Sakae e Nori Fukuma e os ajudei a levá-los para o carro. Afinal, com dois filhos quanto mais ajuda melhor! Os pais usam um artifício simples para manter os gêmeos tranquilos na cadeirinha, o DVD. Claro que os bebês reclamaram um pouco ao sentar na cadeirinha, mas logo se acalmaram e voltaram para casa. Conseguimos ensinar tantas coisas para as crianças, regras, horários, rotinas… Tenho certeza que com paciência você achará um artifício, uma forma para as suas crianças aderirem às cadeirinhas.
É importante saber que a lei não se aplica aos veículos de transporte coletivo como veículos escolares, táxis e veículos com peso bruto total ou superior a 3,5 toneladas.
Hoje há diversas cadeirinhas disponíveis, então atenção às dicas: veja se possui o selo do Inmetro, cinto de segurança, estofamento e correia (parte que prenderá no veículo). Muitas lojas oferecem auxílio na hora da instalação, não deixe de conferir antes de bater o martelo na compra.
O modelo escolhido deverá ser compatível com a altura e o peso do seu filho. Siga as instruções da cadeirinha e não haverá erro. Saber que o seu filho estará seguro é um bom motivo para se adequar à nova rotina.
Saiba mais sobre a divisão da cadeirinha por faixa etária e peso:
  • Bebês até um ano (ou até 9 e 13 quilos dependendo da marca): devem ser transportados no bebê conforto ou conversível no banco traseiro com leve inclinação e de costas para o motorista.
  • De 1 a 4 anos (ou crianças entre 9 e 18 quilos): deve-se usar as cadeirinhas no banco traseiro, na posição vertical e de frente para o motorista.
  • De 4 a 10 (ou crianças entre 18 e 36 quilos): devem sentar no assento de elevação ou “booster” no banco traseiro com cinto de segurança de três pontas.
  • Beba bastante água: O cuidado mais básico e que deve ser feitos por todos, em especial para idosos e crianças, é hidratar o corpo com bastante água mineral. “A hidratação pode ser feita também com os sucos de fruta naturais, água de coco, verduras e frutas suculentas. Além disso, evitar o consumo de fast-food neste clima é um dos primeiros passos”, ensina a alergista Marta Guidacci.
  • Mantenha a casa em dia: Quanto mais seco o clima, mais ácaros e fungos aparecem, por isso, o acúmulo de poeira pode desencadear as doenças respiratórias. É muito importante, em especial quando o clima estiver seco, manter a higiene doméstica em dia. Passar um pano úmido no piso e móveis afasta a poeira e proteje a saúde.
  • Deixe o sono mais fresquinho: Para uma noite de sono tranquila é dormir em local arejado e umedecido. Os ambientes podem ser umidificados com toalhas molhadas, reservatórios de água e até umidificadores.
  • Lubrifique os olhos: Para evitar a secura e a irritação do olhos, o soro fisiológico é uma ótima opção. Use colírios apenas com a prescrição de um especialista.
  • Cuide da pele: “Outra dica que garante a saúde e a beleza da sua pele nos dias de baixa umidade do ar é apostar em cremes hidratantes”, explica Marta Guidacci. Para deixar a pele bonita, é preciso lambuzar o corpo com hidratantes e filtros solares, evitar banhos quentes, demorados, além do uso de sabonetes em barra, que são mais agressivos, e buchas.
  • Esporte na hora certa: A prática de esportes também merece atenção especial no tempo seco. O corpo se cansa mais facilmente, a garganta passa a arranhar e os olhos ficam irritados com facilidade. “É recomendado que os exercícios físicos sejam feitos nas primeiras horas da manhã, no final da tarde ou à noite, quando o clima seco não incomoda tanto”, diz Rafael Ollita, professor da academia Top Spin & Big Ball. Natação, hidroginástica e os demais esportes na água são uma boa alternativa se o ar pesado estiver incomodando. Os exercícios aquáticos são os mais recomendados nesta situação, pois em um ambiente de piscina, a umidade do ar tende a ser maior do que em locais abertos, o que diminui essa constante agressão causada pela poluição ao sistema respiratório.